Humberto Souto faz ato de protesto contra Estado

Visualizações: 55
Avantgardia

Aproximadamente 1.000 pessoas devem participar de protesto, a ser realizado hoje pela manhã, em frente à  Prefeitura de Montes Claros, que estará com as portas fechadas, em fato inédito na sua história, para reclamar da retenção de aproximadamente R$40 milhões, feita pelo Estado. A maior reclamação é para os R$16 milhões do Fundo de Desenvolvimento do Ensino Básico (FUNDEB) e que pode culminar na suspensão do pagamento do mês de agosto das professoras municipais. O prefeito Humberto Souto explica que ficou na expectativa de ser creditado o repasse do Estado até sexta-feira, o que não ocorreu. É que, pelo projeto de securitização, o Estado deveria repassar R$1,4 bilhão aos municípios.

Além disso, Humberto Souto  conversou com os prefeitos das maiores cidades mineiras, sobre o assunto, quando todos mostraram sem esperança de receber os recursos retidos. Por isso, a ação judicial será impetrada hoje de manhã no Fórum Gonçalves Chaves, para pedir os R$16 milhões que foram retidos neste ano, além dos R$40 milhões na saúde. A ação deveria ter dado entrada na sexta-feira, mas, como dependia do levantamento que Montes Claros tem a receber, foi adiada para hoje. O procurador Otávio Batista Rocha Machado espera que seja concedida a liminar para mandar repassar os recursos.

No protesto de hoje, a apreensão é de que essa postura acabe afastando o PT da administração municipal, pois o partido tem o vereador Aldair Fagundes como um dos maiores aliados de Humberto Souto e muitas vezes faz o papel de porta voz. Ainda na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, muitos cargos são ocupados pelos petistas. Na ultima quinta-feira, durante a ordem de serviço do asfaltamento das ruas, o prefeito Humberto Souto atacou duramente o governador Fernando Pimentel, lembrando que ele é do PT, mas o partido estava na sua equipe na Prefeitura. Os sindicatos dos professores e servidores, dirigidos por petistas, reagiram aos ataques a Pimentel, acusando o prefeito de exploração política.

Comentários: 0

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *